Brindes de Cultura

Brindes de Cultura: Textos elaborados, dados concretos e opinião sobre Enologia, Vitivinicultura e agronomia

Sobre o Autor:

Minha foto
Santa Maria, RS, Brazil
Acadêmico de Agronomia UFSM, atuando na área de Enologia e Vitivinicultura. Um homem de opinião.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Para o consumidor, vinhos caros e baratos são iguais – comprova estudo.




Psicólogos da Universidade de Hertfordshire realizaram um experimento às cegas com 578 pessoas durante o Festival Internacional de Ciência de Edimburgo, na Escócia. Ofereceram vinhos tintos e brancos de vários países e os consumidores deveriam apontar quais eram os vinhos baratos e quais os caros.




   Os vinhos baratos custavam menos que 5 libras (R$13) e os de safras consideradas superiores eram vendidos a preços entre 10 e 30 libras (R$ 26 e R$ 78). Havia também vinhos espumantes de 17 libras (R$ 44) e de 30 libras (R$ 78).


Sendo apenas possível escolher entre barato e caro, os participantes teriam 50% de chance de acertar, mesmo que não soubessem identificar a diferença. E foi exatamente o que aconteceu, os resultados apontaram 50% de acertos. Assim, os pesquisadores concluíram que muitos dos consumidores não conseguem distinguir os vinhos pelo paladar e pagam caro apenas pelo rótulo do produto.


     
     A Escócia não é um país com tradição vitivinícola, e por isso, os moradores não desenvolveram uma cultura de degustar e aprimorar o paladar. No Brasil a situação não é muito diferente, o vinho é vendido como algo elitizado e nobre, e o consumidor, buscando esse status, paga os altos preços, o que alimenta esse ciclo vicioso.



    Para aumentar o consumo de vinho no País e tornar o vinho mais próximo dos brasileiros, é necessário uma desmitificação da bebida, é necessário torná-la mais simples e estimular consumo pelo prazer que proporciona a quem aprende a degustá-la. Dessa forma, pode ser que o consumidor leigo se interesse pelo vinho, pode ser que se desenvolva no Brasil a cultura de degustar o vinho e o brasileiro aprenda a escolher por si o vinho a beber e a pagar.



2 comentários:

  1. Leandro,

    vc ja viu como garrafas de barolo famosos sao humildes e simples? Nada a ver com as garrafas que pesam 1.5kg de alguns vinhos meia boca que vem do sul da italia, de mendoza, do chile... que valem mais pelo peso que pela qualidade. Mas sao fenomenos de venda.

    SDS.

    ResponderExcluir
  2. Poise João....

    enquanto o consumidor não aprender a escolher, veremos muito disso ainda... vinhos famosos e com grande marketing e sendo vendidos como o último grau em qualidade...

    abraço!

    ResponderExcluir